Estudante Brasileira vai processar o aplicativo Lulu por preconceito

O estudante de Direito de São Paulo Felippo de Almeida Scolari, de 28 anos, é o primeiro a processar a aplicativo Lulu, lançado no Brasil nesta semana, que permite que mulheres avaliem e postem comentários anonimamente sobre seus amigos no Facebook. Na ação, Scolari pede indenização de R$ 27 mil por danos morais e indevida utilização da sua imagem.



O aplicativo Lulu é gratuito. Depois de baixado, o usuário é conectado e, caso seja homem, poderá fazer um perfil e colocar algumas palavras sobre si. Já as mulheres podem dar notas e usar hashtags para avaliar amigos e conhecidos.

A "entrada" de perfis masculinos no aplicativo é automática: basta ter um perfil do Facebook para ser avaliado porém no caso das mulheres é diferente:

"Aplicativo diz fazer com que mulheres tomem 'decisões mais inteligentes' em seu site"